Time Coletaneas
1 2 3

DALMIR PEDRO MARTINS
Formado em administração e ciências contábeis, hoje aposentado, ocupa a cadeira nº 8 , cujo patrono é Castro Alves. Há alguns anos vem dedicando-se às artes plásticas e literárias, essa última, desde a juventude. Email

.................................................................................................................................................

SUMÁRIO

.................................................................................................................................................

CADÊ MINHA POESIA?

COMENTÁRIOS DO AUTOR

Já tentei poesias,
Escrita infinita,
Mente povoada,
Sonhos mirabolantes,
Foram-se...
Voos além-horizontes
Enxerguei-o, descolorido.
Ilusão estagnada,
Muito discreto, a lá poeta!
Que vê cores na escuridão
O romantismo em eclosão
Nada igual... Ritmo perdido,
Dedos não obedecem,
A mente não reflete.
Não encontro lustros
Nem emoções liberadas
Palavras saem a custo
Com definição do nada
Pensamentos represados
Desarticulados sem sentido.
São apenas, momentos vividos!
MULHER

Homenagem ao dia internacional da mulher, 8 mar 2014

Passado remoto.
Imagem de nobreza,
Com seu conceito
De beleza e Leveza,
Constrói o mundo
No prisma de realeza,
A singelidade da sutileza,
Tornava-a meiga, na verdade!

Hoje o mundo a transformou,
Preenchendo espaços, agitações...
Tomando-a de compromissos,
Sua meiga candura... Mascarou!
Vida atual complicada obrigou.
Atualização, inteiração constantes,
Conquista igualdade e tudo que quer
Do romântico... Ficou mulher!
CHOVERA

4/11/2014

O amanha nunca chove,
Chove... Se hoje.
Se no amanha, acontecera,
Ai chovera...!
Se, pinga fora, são gotas.
Se no copo é cinquenta e um,
Se tomar mais de um trago,
Será um grande estrago!
Perna bambeia língua enrola,
Você flutua e a visão turva,
O amanha, do ontem herda.
O dia! Certeza será uma merda.
Mas da chuva, falando...
Chuva muito forte é tempestade
A agua abunda e tudo inunda
A reclamação é geral,
Bendita seja! Já estamos ao reuso.
Por essa causa vamos vivendo, sujo...
CRENÇA

27 mai 2015

O amor é a crendice da alma,
Mas quem disse... Que existe!
Certo ou errado é só uma crença,
Verdadeiro, só a esperança!
Corremos atrás para ver se alcança,
Mas ao perto vemos miragem.

No horizonte enxergamos o radiante
O momentâneo é real... Mais adiante.
Ocultamente esconde nuvens.
Ai, surpresas se desprendem.

Vivemos pela ilusão...
Preparamos a vida de esperas,
O futuro, felicidades planejamos.
Se o amor houvesse, seria real!
Mas a vida prova apenas casual...
Pensemos...
ESPERANÇA DO PASSADO

24 nov 2014

O despertar de uma criança,
É sempre de esperança,
Inda com um puro sorriso,
Lindo, cheio de felicidade,
Simplesmente divinal,
É imaginarmos no paraíso!

Tamanha espontaneidade!
Assim nascemos, crescemos.
Aprendemos com os professores
Da humanidade, de mais...,
e do mais...eu, eu,....!
Perdemos a ingenuidade!

Conscientes, sabendo o nada...
Crescemos sábios ignorantes.
Tornamos iguais comuns e banais
Criando suporte para o bem viver,
Amparos físicos e psicológicos,
Mascarando o próprio eu!

Fingindo, no fundo somos o que somos,
Prova disso estou diante de um...
Só deixando uma mensagem no ar,
Ao lado de uma tevê muda, desligada,
Cansado, ignorando, atualidades.
E um celular prestes a tocar.

Sem o sorriso puro do ontem,
Na esperança melhor do hoje!
Almejo uma sociedade sensata,
Responsável, reprogramada...
Que na sutiliza, encontre vida ideal!
E que num esforço, o passado resgata.
Seja autenticamente real...!

Nenhum comentário:

Postar um comentário